Avaliação

Cozinha Eletroportáteis Batedeiras

Desempenho

6.0

Conforto Sonoro

5.6

Praticidade

6.4

Design e Acabamento

8.5

Limpeza

7.8

Segurança

8.7

Robustez Aparente

7.8

Outros Pontos

6.5

Nota Geral

7.0

Custo-Benefício

1

Pontos fortes

  • Boa eficiência para claras em neve
  • Espaço para retrair, enrolar o cabo de alimentação
  • Bom acabamento, design diferenciado

Pontos fracos

  • Velocidade inicial muito alta
  • Fouet com arames finos
  • Barulho agudo em funcionamento
Harpyja no Telegram

Avaliação da Batedeira Planetária Oster Bowl Inox OBAT651 | Harpyja

Chegou a hora da avaliação mais pedida dos últimos meses, a planetária Oster Bowl. A marca por si só já chama bastante atenção no mercado de eletroportáteis e neste produto conseguiram chamar mais atenção ainda. O desenho deste modelo está diferente da maioria das planetárias disponíveis e a mistura de cores e texturas, preto lustroso e fosco, grafite fosco e prateado, trouxe um charme extra, despertando a curiosidade do consumidor brasileiro.

A Oster já possui uma boa batedeira planetária no mercado, a Oster Perform (em preto e prata), ou sua versão preta com vermelho metáico (Oster Xpert). Esta planetária se saiu bem em nossas avaliações e os comentários obtidos dos usuários normalmente são bem positivos. Sendo assim, ela frequentemente será elemento de comparação neste material.

A Oster Bowl pode ser encontrada em duas versões: A OBAT651 que vem com tigela de aço inoxidável e a carcaça superior em grafite fosco e a OBAT610, com o mesmo desenho e acessórios, mas com tigela plástica (polipropileno) e a parte superior preta lustrosa, ao invés de grafite. 


Ambos modelos tem detalhes em preto fosco ao redor da tigela. O acabamento é muito bom, sem defeitos aparentes no plástico. Por sinal, toda a sua estrutura externa é plástica.

O conjunto é arredondado nas laterais e praticamente plano no topo. Esse desenho dá uma certa ilusão de que o conjunto é grande, mas quando medindo é praticamente da mesma altura das outras planetárias de volume similar do mercado.


Detalhes dos acessórios

A Oster Bowl Inox vem com 3 batedores, um fouet para claras em neve e chantilly, uma raquete para massas leves e bolos, e um gancho para massas pesadas, como pão por exemplo. A tigela de inox tem 4,1 litros de volume até a boca e possui duas alças para facilitar o manuseio do bowl. Há também uma tampa plástica transparente para reduzir os respingos e facilitar a adição de alimentos dentro da tigela. O último acessório é uma espátula básica, que vem tipicamente com a maioria das planetária compradas do mercado.

A tigela é bonita, escovada, fosca, com um bico para facilitar o escoamento dos alimentos. O fundo dela é mais curvo que a Oster Perform e isso influencia no desenho do fouet e da raquete. Ambos são mais arredondados. Apesar do um design interessante, o fouet da Oster Bowl possui arames bem finos (1,5mm de diâmetro). É realmente para bater só ingredientes bem leves. Quando decidimos forçar um pouco, os arames acabaram saindo do lugar, necessitando abrir o encaixe e recolocá-los de volta no lugar. Neste quesito a Oster Perform está melhor, com seu fouet mais grossos (arames de 2mm de diâmetro).


Os outros batedores e a tigela também parecem mais simples que os da Oster Perform. Apesar disso, não demonstraram sinal de serem frágeis. Algo que vem na Oster Xpert e na Perform e que não veio aqui é o batedor extra com espátula de silicone.

O aparador da Oster Bowl fica travado no topo da cabeça da batedeira, erguendo junto com os batedores. Perto do bico da tigela fica uma abertura para adicionar alimentos. Ficou mais prático esta versão versus a antiga que possuía uma tampinha para fechar o anti-respingos. Por outro lado agora acaba espirrando mais para fora, devido a abertura. Há um vão entre a tigela e a tampa, e com isso também acaba escapando farinha pelas bordas ao redor da tigela. Assim mesmo, o aparador é útil, pois devido a velocidade inicial da Oster Bowl, em muitos momentos a tampa é crucial.

Performance

Apesar do seletor possuir doze posições, a partida ainda é muito veloz. É praticamente igual a velocidade da Oster Perform, que respinga muitos ingredientes para fora da tigela. Batedeiras como a Mondial B-06 ou Cadence Orbital Eletronic tem sua velocidade mínima quase 100 rotações por minuto mais baixa que esta Oster Bowl. Por outro lado sua velocidade máxima é ótima. Quando fazendo suspiro ela entrega ótimos resultados em poucos minutos.

Uma das propagandas da Oster bowl é sua capacidade de fazer claras em neve com somente dois ovos. Nos testes realizados isso se comprova. Os batedores vem bem ajustados e o fundo da tigela contribui para um bom resultado. Algumas batedeiras também podem entregar resultados similares, mas é importante garantir que os batedores estão ajustados. Caso tenha uma batedeira e esteja na dúvida se os batedores dela estão ajustados, siga os passos deste link :-)

Quando batendo massas leves a raquete deu conta do recado. Farinha saiu pelos cantos, mas o resultado final foi bom. Quando fazendo pães os resultados também foram satisfatórios, somente a estabilidade se mostrou um pouco limitada. As ventosas são boas, seguram bem o produto sobre uma bancada, porém se o local de apoio for um pouco poroso e a ventosa não conseguir atuar completamente, há muita chance da batedeira andar quando batendo massas pesadas. Isso é algo que não foi evidenciado na Oster Perform, provavelmente devido ao contrapeso que o conjunto tem na parte de baixo, próximo da tigela. Esse peso extra traz mais estabilidade quando lidando com alimentos que geram desbalanceamento (bolas de massa presas ao gancho são um exemplo).

A potência grande de 750W é algo atraente, porém não há necessidade de tanta potência. Batedeiras como a Mondial B-06 lidam bem para bater pães com somente 300W disponíveis. A Oster Xpert possui 600W e não usa mais que 400W quando trabalhando pesado. Aqui não é diferente. Mesmo batendo massas pesadas em velocidade alta (o que não é algo recomendado) o conjunto trabalha próximo de 300W. Mesmo batendo um pão de 500g de massa na velocidade mínima ela só necessita de 115W.

A Oster Bowl é mais barulhenta que a maioria das batedeiras planetárias. Apesar de ser somente um pouco mais barulhenta que a Oster Perform, em grande parte das velocidades o produto tem um pico de frequência alta, um tipo de apito que não agradou.

Detalhes práticos

Algo peculiar do seletor é a distância entre as posições. Quando trocando a velocidade devagar, o motor chega a desligar entre as velocidades. Apesar disso, o seletor é bem suave e agradável de rotacionar.

A guia da cabeça tem seus pontos fortes e fracos. Esteticamente é mais atraente que a Oster Perform. Toda a estrutura é fechada e com isso pouca farinha acaba dentro do mecanismo. Há duas guias para manter alinhada a cabeça, e apresentam ser robustas. Por outro lado ela não ergue muito os batedores, necessitando na maioria dos casos remover os batedores para retirar a tigela. Por outro lado, uma evolução desta Oster Bowl versus a Perform e a Xpert é o encaixe da tigela. Há uma trava suave na base deixando o bowl fixo sem folgas.

Outro ponto interessante da Oster Bowl é o espaço para enrolar o cabo na base. O cabo é de ótimo comprimento, com 1,5 metros. É possível enrolá-lo completamente embaixo da base e deixar só o plug para fora, assim como dá para reduzir parcialmente o cabo e deixar escondido na base. É algo interessante que poucas planetárias dispõem.

Limpeza e Segurança

Apesar de não ser dito no manual, a raquete, o gancho e a tigela podem ser colocadas na máquina de lavar louça por serem inteiros de metal (batedores de alumínio e tigela de inox).

Infelizmente a tampa anti respingos não veda e devido a velocidade alta, muita farinha se espalha ao redor do produto. A vantagem é que não há muitos cantos para acúmulo de sujeira. A tampa é plástica, mas robusta. 

O cabo de alimentação na base é prático, mas poderia ter um alívio. Se puxado para os lados pode ser danificado. As ventosas seguram bem o produto, porém é importante que a superfície onde utilizada seja bem lisa para garantir que a unidade fique presa. Sem as ventosas há chance da batedeira andar. Quando levantando os batedores a energia no motor é cortada por segurança. Assim que abaixada novamente a batedeira liga na velocidade em que está setada.

Oster Perform ou Xpert vs. Oster Bowl Inox

Colocando as duas lado a lado, na maioria das situações a Oster Bowl sai perdendo. É mais barulhenta, fouet é mais frágil, menor estabilidade, batedores erguem menos e não vem com o batedor com espátula de silicone. As vantagens da Oster Bowl estão mais concentradas na praticidade: no espaço para enrolar o cabo de alimentação, abertura da tampa anti-respingos e o encaixe da tigela na base.

Conclusão

Charmosa e imponente, a Oster Bowl Inox tem muitos ingredientes para emplacar no mercado. Vários detalhes dela ainda colocam ela para trás da Oster Perform e da Xpert, mas assim mesmo é uma boa batedeira. Abafando um pouco o seu som, melhorando o fouet e a velocidade de partida contribuiria muito para seu resultado. Alterações factíveis que seriam interessantes em uma nova versão.


Compartilhe este material:

        


Compre aqui:

Quer receber nossa newsletter?